SAÚDE MENTAL E O VÍNCULO MÃE-BEBÊ

SAÚDE MENTAL E O VÍNCULO MÃE-BEBÊ

Muitos estudos são unânimes em reconhecer a importância das primeiras relações afetivas da criança para a saúde mental. O vínculo formado entre mãe-bebê ou cuidador que acompanhe a criança desde o nascimento, é crucial para o bom desenvolvimento da saúde mental na primeira infância e no decorrer de sua vida.

Vários autores como Spitz (1945), Winnicott (1956) e Bowlby (1969) possuem estudos significativos sobre a importância desse vínculo para saúde mental. Apesar de algumas divergências, Spitz e Bowlby concordam que é necessária a existência de uma relação de afeto e de apego como fator primário para um desenvolvimento adequado.

Já Winnicott, em suas pesquisas sobre o assunto, propõe algumas categorias, e uma delas é a fase da dependência absoluta. Fase esta, em que a mãe desenvolve um estado especial, exercendo um papel fundamental na integração do bebê. Segundo este autor, caso a mãe, por algum motivo não desempenhe esse papel, podem surgir falhas primitivas no desenvolvimento.

Sendo assim, a intenção destes e outros diversos estudos sobre vínculo, é de provocar reflexões sobre a formação do vínculo afetivo entre a família que espera a chegada de um bebê; em especial a relação da mãe e seu bebê. Vale ressaltar que a formação desse vínculo inicia-se na vida intrauterina e se estende após o nascimento da criança; podendo esse vínculo ser fortalecido ou não.

A responsabilidade materna, vai além de satisfazer as necessidades fisiológicas da criança. O bebê deve sentir-se seguro nessa relação, cabendo à mãe apresentar o mundo ao seu bebê.

O vínculo tem formação muito antes do nascimento; ainda na barrida, o bebê e sua mãe estabelecem uma comunicação bastante complexa e ao mesmo tempo sutil. Isso vai acontecendo gradativamente com o crescimento do feto. É nesse momento onde a mãe expressa seus desejos pelo bebê, interferindo positivamente ou não no desenvolvimento.

Pensando em um bom desenvolvimento para saúde mental da criança, o vínculo pode ser fortalecido após o nascimento através de uma troca íntima e profunda.

Em meio às mamadas, troca de fraldas, embalos para dormir e troca de olhares; tudo isso feito com toda a dedicação e amor farão com que o percurso ocorra harmoniosamente para um desenvolvimento mental saudável.

Ana Paula Brito da Silva
Psicóloga – CRP 06/83.212

Se você gostou deste post curte no seu perfil do facebook.